Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 ABMS
 Aulas Iniciais Solos 1
 Aulas iniciais Solos 2
 Muros de arrimo
 Aulas iniciais Fundações
 Revista Fundações
 Currículo Lattes Joaquim
 Método Aoki-Velloso-Tabelas
 Dissertação de Mestrado de Joaquim
 Tese de Doutorado de Joaquim
 Aula Estabilidade de taludes Solos 2
 Aterros sobre solos moles
 Plano de Ensino de Mec. Solos 1
 Plano de Ensino de Mec. Solos 2
 Plano de Ensino de Fundações
 Geotecnia na Arquitetura
 Caso obra solo-fundação-estrutura
 Prova ENADE 2011
 Aula Capacidade de carga Estacas
 Painel ENADE Semana Docente 2014
 COBRAMSEG 2014




Blog de Joaquim Teodoro Romão de Oliveira
 


COBRAMSEG 2014 (Publicado por www.abms.com.br)

Goiânia receberá o mais importante evento da comunidade geotécnica brasileira

 



Nos dias 9 a 13 de setembro de 2014, a cidade de Goiânia (GO) irá receber o mais importante evento de geotecnia do Brasil. O XVII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (COBRAMSEG 2014) vai expor e discutir avanços técnicos da área e trazer desafios à comunidade técnica brasileira. O Congresso vai reunir ainda outros três grandes eventos: o VII Congresso Luso-Brasileiro de Geotecnia; o VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas; e o VI Simpósio Brasileiro de Jovens Geotécnicos.


O Cobramseg 2014

 


A décima sétima edição do Cobramseg é realizada pelo Núcleo Regional Centro-Oeste e o Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas da ABMS e tem como tema principal “Infraestrutura de um Futuro Sustentável”. A partir desse tema, o evento vai discutir durante cinco dias a preocupação e os desafios de um desenvolvimento sustentável com profissionais renomados do Brasil e do mundo. Palestras, mesas-redondas, apresentações de trabalhos científicos e minicursos nos diversos subtemas da geotecnia vão garantir uma grande troca de experiências e novidades entre os participantes.


Ao mesmo tempo, será realizada uma grande Feira de Geotecnologia, que vai reunir 60 expositores responsáveis pelas mais avançadas técnicas e práticas geotécnicas disponíveis aos empreendedores e projetistas do Brasil.


Outros três eventos vão acontecer paralelamente ao Cobramseg 2014: o VII Congresso Luso-Brasileiro de Geotecnia; o VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas; e o VI Simpósio Brasileiro de Jovens Geotécnicos.

VII Congresso Luso-Brasileiro de Geotecnia


O VII Luso Brasileiro será realizado entre os dias 10 e 11 de setembro. O evento, que terá como tema “Geotecnia em Obras Metro-Ferroviárias”, traz como destaque a mesa-redonda que vai discutir a implantação dos trens rápidos TGV (ou TAV) em Portugal e no Brasil, abordando desde a experiência europeia e até as expectativas luso-brasileiras em relação a esse tipo de obra.


Outros destaques ficarão por conta das discussões relacionadas aos seguintes subtemas: Estabilização de Taludes, Fundações, Reabilitação de Ferrovias; Túneis em Obras Ferroviárias; Valorização de Resíduos.

 

VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas


O SBMR é um evento realizado a cada quatro anos pelo Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas da ABMS (CBMR). Na sua sexta edição, que ocorrerá entre os dias 9 e 13 de setembro paralelamente ao Cobramseg 2014, o SBMR trará apresentações e discussões de pesquisas científicas e tecnológicas, projetos e obras no âmbito da Mecânica das Rochas. O foco do simpósio será dado em três contextos principais: Geotecnia, Mineração e Petróleo.


O VI SBMR recebeu o status internacional de conferência especializada da International Society for Rock Mechanics (ISRM), além de contar com o apoio da American Rock Mechanics Association (ARMA) e Chinese Society for Rock Mechanics and Engineering (CSRME).

VI Simpósio Brasileiro de Jovens Geotécnicos


A partir de um conceito criado em 1985 pela ABMS, em 2004 a comunidade geotécnica brasileira criou o Geojovem, o simpósio destinado a recém-formados na área geotécnica e jovens profissionais de até 35 anos. O evento, que é bi-anual, tem como objetivo integrar jovens profissionais, mestres e mestrandos para compartilhar experiências e despertar nos participantes a importância das pesquisas na área. A sexta edição do Geojovem reserva até quatro seções paralelas no dia 10 de setembro para a apresentação de um maior número de trabalhos.

Inscrições


As inscrições com desconto para o Cobramseg 2014 vão até o dia 31 de março. Após a data, haverá dois períodos de aumento no valor das inscrições. Também será possível se inscrever no local.


Até dia 31, os estudantes de graduação e pós-graduação que desejarem participar podem efetuar a inscrição no valor de R$ 280,00. Já os estudantes sócios da ABMS ou das entidades irmãs (ABGE, ISSMGE, ARMA ou ISRM) pagarão R$ 180,00 para se inscrever.


Aos profissionais não sócios, o valor da inscrição no mesmo período é de R$ 780,00. Aos profissionais associados, a taxa é de R$ 630,00.
A forma de pagamento poderá ser feita por boleto bancário ou cartão de crédito parcelado em duas vezes. No entanto, a partir de 10 de julho de 2014, a opção de parcelamento não será mais permitida.


Consulte a tabela completa de valores das inscrições e outros dados sobre como se inscrever clicando aqui.

Local e programação


O XVII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica vai ocorrer no Centro de Convenções de Goiânia, localizado na Rua 4, número 1400, Quadra 73, no Centro de Goiânia. O local está a 2,5km do terminal rodoviário e a 8k do aeroporto de Goiânia.


Confira a programação completa do evento acessando aqui.


Para mais informações sobre o evento, acesse o site oficial.

 

Patrocínio


O Cobramseg 2014 é patrocinado pelas empresas Geobrugg, CZM, Brasfond, Dywidag-Systems, Engesol, Huesker, Incotep, Maccaferri, SETE Engenharia, Torcisão, AngloGold Ashanti, Bauer Maschinen, Boart Longyear, Consta Fortuna Fundações e Construções, Engegraut, Fugro In Situ, Fundesp, Fundsolo, Geotecnia e Fundações ESTE, Itasca S.A., Keller Engenharia, Maxichem Brasil, Solotrat e Sonda Engenharia.


O Congresso tem o apoio da ISRM (International Society for Rock Mechanics (ISRM) e o co-apoio do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT), da ARMA (American Rock Mechanics Association) e da Universidade Federal de Goiás.



Escrito por Joaquim Oliveira às 15h52
[] [envie esta mensagem
] []





Romilde Almeida recebe Certificado de Moção de Louvor no plenário do Crea-PE

Imagem de Conteúdo de Web

Na abertura da Sessão Plenária realizada na quarta-feira (26), no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), o professor Romilde Almeida foi homenageado, com a entrega, feita pela engenheira civil Rosely Angela,  de Certificado de Moção de Louvor, por seus 46 anos de docência na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), pela sua larga experiência e pelo seu comprometimento na formação de uma geração de engenheiros civis no Estado de Pernambuco.

O presidente do Crea-PE, José Mário Cavalcanti, falou em nome de todo o Conselho sobre a satisfação de ter um profissional da envergadura do professor Romilde Almeida, “que nesses 46 anos atuando como professor em diversas instituições como a Unicap, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a Escola Politécnica (Poli), continua contribuindo imensamente para a sociedade pernambucana”.

Ainda na plenária, os professores Arnaldo Cardim (1° Vice-presidente do Crea-PE) e Maurício Pina (conselheiro e Crea-PE) fizeram uso da palavra, apontando a eficiência e o orgulho de participarem daquele momento, como ex-alunos, depois como profissionais e hoje em dia como amigos do grande profissional que é Romilde Almeida.

O professor homenageado é natural do município de Bonito, no Agreste de Pernambuco, concluiu o curso de Engenharia Civil na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), fez mestrado e doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e realizou o pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP).

Na Universidade Católica o professor participou da implantação do curso de Engenharia Civil e atuou como coordenador do Programa de Mestrado entre 2005 e 2008. Neste mês de março, ele retornou a esse posto com o objetivo de criar as condições necessárias para a instalação do Doutorado em Engenharia Civil. Ao completar 46 anos de dedicação à Universidade Católica de Pernambuco, o Prof. Dr. Romilde Oliveira está bastante motivado com a nova missão.

No Crea-PE, Romilde Oliveira já integrou a diretoria da atual gestão e coordenou a Comissão da Qualidade do Ambiente Construído, constituída com a finalidade de dar à sociedade uma explicação técnica quanto ao desabamento do edifício Areia Branca, ocorrido em outubro de 2004, em Jaboatão dos Guararapes.

Antonio Alves

ASC/Crea-PE

 



Escrito por Joaquim Oliveira às 15h33
[] [envie esta mensagem
] []





Engenheiro Romilde Almeida será homenageado pelo Crea-PE

Publicado por http://www.creape.org.br/web/crea-pe/pagina-inicial/-/asset_publisher/Luo9/content/8493763?redirect=%2Fweb%2Fcrea-pe%2Fpagina-inicial

 
                             

 

Recife, 26 de março de 2014

 

A exemplo do que foi feito pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), na aula inaugural dos novos alunos do curso de Engenharia Civil, no dia 13 de fevereiro de 2014, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), por meio do presidente José Mário Cavalcanti, prestará homenagem o conselheiro, professor Romilde Almeida de Oliveira, na sessão plenária que realizará a partir das 19h desta quarta-feira (26), no auditório do Conselho.

A homenagem será feita ao engenheiro, pelos 46 de docência no curso de Engenharia Civil da Unicap. Nascido no município de Bonito, no Agreste de Pernambuco, o professor concluiu o curso de Engenharia Civil na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), fez mestrado e doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e realizou o pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP).

“O engenheiro Romilde Almeida é uma referência na Engenharia pernambucana e nacional e, sem dúvida, são privilegiados todos que podem conviver com ele e aprender um pouco de tudo que ele tem a ensinar, incluem-se nessa lista, não só alunos, mas, profissionais e amigos. É com muito prazer que prestaremos a ele essa singela homenagem mais do que merecida”, reconheceu o presidente José Mário.

Na Unicap, o professor participou da implantação do curso de Engenharia Civil, atuou como coordenador do Programa de Mestrado entre 2005 e 2008. Neste mês de março, ele retornou a esse posto com o objetivo de criar as condições necessárias para a instalação do Doutorado em Engenharia Civil. Ao completar 46 anos de dedicação à Universidade Católica de Pernambuco, o Professor Dr. Romilde Oliveira está bastante motivado com a nova missão se mostrou mais motivado do que nunca nesta entrevista especial ao jornalista Daniel França para o Boletim Unicap. Confira abaixo os principais trechos.

No Crea-PE, Romilde Oliveira já integrou a diretoria da atual gestão e coordenou a Comissão da Qualidade do Ambiente Construído, constituída com a finalidade de dar à sociedade, uma explicação técnica quanto ao desabamento do edifício Areia Branca, ocorrido em outubro de 2004, em Jaboatão dos Guararapes.

Dilma Moura

ASC do Crea-PE




Escrito por Joaquim Oliveira às 17h26
[] [envie esta mensagem
] []





ROMILDE OLIVEIRA: 46 ANOS DE UNICAP

Lucílio Romilde 020

Ele nasceu em Bonito, no Agreste de Pernambuco. Pai de sete filhos, concluiu o curso de Engenharia Civil na UFPE, fez mestrado e doutorado na UFRJ e realizou o pós-doutorado na USP. Na Unicap, participou da implantação do curso de Engenharia Civil, atuou como coordenador do Programa de Mestrado entre 2005 e 2008. Neste mês de março, ele retornou a esse posto com o objetivo de criar as condições necessárias para a instalação do Doutorado em Engenharia Civil. Ao completar 46 anos de dedicação à Universidade Católica de Pernambuco, o Prof. Dr. Romilde Oliveira se mostrou mais motivado do que nunca nesta entrevista especial ao jornalista Daniel França para o Boletim Unicap. Confira abaixo os principais trechos.

 Boletim Unicap – Como o senhor entrou na Católica?

Romilde Oliveira – Eu terminei o curso de Engenharia Civil na UFPE em dezembro de 1967. Ao mesmo tempo fazia Iniciação Científica. Quando me formei passei mais um tempo fazendo pesquisa no Instituto de Física e Matemática da UFPE. Era bolsista de lá. Quando a Unicap iniciou o curso de estatística, aproveitou vários jovens da época que eram ligados à pesquisa em estatística e eu acabei sendo um dos indicados. Uma curiosidade é que juntamente comigo vieram dois colegas de turma que tinham interesse em se aprimorar em matemática como ferramenta para ensinar engenharia civil. Um deles é o professor José Jorge de Vasconcelos, atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e o ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel. Nós começamos o curso de estatística na época.

B.U – E como o senhor migrou para Engenharia Civil?

R.O – No final dos anos 60, a Unicap partiu para formar seu próprio curso de Engenharia Civil porque antes era vinculado à Escola Politécnica. Quando a Poli saiu para formar a antiga Fespe, a Unicap decidiu formar seu próprio curso de Engenharia Civil. Em 1970, a graduação foi aprovada e eu participei do quadro inicial de professores.

B.U - Ao longo dos seus 46 anos de Unicap, qual episódio da Universidade foi o mais marcante para o senhor?

R.O – Houve um momento expansionista interessante nos anos 80. Eu participei da elaboração do projeto do bloco G e do prédio da Reitoria. Na época, a Universidade montou o Grupo Técnico de Obras (GTO) e além dos projetos, nós participamos também da construção dos edifícios. Foi o GTO quem tocou este projeto.  Havia uma euforia porque isso representava a ampliação do campus. Era algo que empolgava as pessoas. Aliás, esse clima é perene na Unicap.

Lucílio Romilde 022

Romilde participou dos projetos dos blocos G e R

B.U – Falando agora sobre a profissão de Engenharia Civil. Que análise o senhor faz do mercado nesses últimos 10 anos?

R.O – A Engenharia Civil no Brasil e por consequência em Pernambuco passou por altos e baixos. No final dos anos 70, com o chamado Milagre Brasileiro, houve forte crescimento. Mas a partir de 1983, houve uma crise na economia que se estendeu até o início dos anos 2000. De 2005 pra cá, passamos viver uma nova fase com grandes investimentos no Estado, principalmente em Suape, com a criação do Estaleiro Atlântico Sul. Muitas indústrias vieram pra cá e isso significou a retomada do crescimento e consequentemente provocou um aquecimento no mercado de trabalho. O curso voltou a ser bastante procurado. Temos hoje cerca de 1.300 alunos, o que demonstra uma recuperação muito grande.

B.U – Esse crescimento tende a continuar?

R.O – Não com a mesma taxa de crescimento, mas os indicadores devem se estabilizar. Acredito que vamos manter os índices atuais. Eu costumo dizer que ‘se a economia vai bem, os engenheiros vão bem também’ (risos).

B.U – Além da técnica, sua trajetória está muito ligada ao aspecto acadêmico. Qual sua relação com a pesquisa?

Lucílio Romilde 012

Pioneiro: Romilde faz parte da equipe inicial do curso

R.O – Eu tenho uma relação muito forte com a pesquisa. Houve épocas na minha vida que eu dediquei maior parte do tempo aos projetos de pesquisa. Passei alguns anos me dedicando ao mercado, mas recentemente voltei minhas atenções à pesquisa. Estou com vários projetos de pesquisa em andamento aqui na Universidade com participação de outros colegas. Esse grupo está ligado à pós-graduação, mas dá atenção também à graduação.

B.U – Qual a importância da pesquisa para a parte prática da Engenharia Civil?

R.O – Importantíssima, principalmente numa região como o Nordeste do Brasil e um estado como Pernambuco. Há uma série de peculiaridades que a gente precisa estudar. Destaco a questão climática. Como o nosso clima interfere nos materiais de construção? Tudo isso é objeto de pesquisa.

B.U – Planos para o futuro…

R.O – Nossa meta é melhorar a avaliação do mestrado, aumentando o número de publicações qualificadas nos periódicos. Nosso objetivo é construir um cenário que nos possibilite a criação de um Doutorado.



Escrito por Joaquim Oliveira às 20h15
[] [envie esta mensagem
] []





Nova Revista sobre Engenharia de Barragens será lançada em evento do CBDB  

(Publicado por www.abms.com.br)           

Com o intuito de produzir matérias, artigos científicos e relatos técnicos relacionados às barragens em geral, a "Revista Brasileira de Engenharia de Barragens" será lançada pelo CBDB no dia 29 de abril de 2014, durante o IX Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas, promovido pelo Comitê Brasileiro de Barragens em Curitiba. A relação dos trabalhos pré-selecionados para o 1º número da RBEB está disponível no website do CBDB (http://www.cbdb.org.br/6-117/Revista%20Brasileira%20de%20Engenharia%20de%20Barragens%20%20%20Trabalhos%20pr%c3%a9%20selecionados/51/)



Além de matérias e artigos, a revista também irá promover eventos relacionados ao meio, com o objetivo de consolidar, ampliar e disseminar conhecimentos técnicos e tecnológicos sobre projetos e obras associadas à construção e operação de barragens.

A distribuição será gratuita para os sócios do CBDB, na sua versão impressa e eletrônica. Para os interessados, os exemplares da revista serão vendidos pela direção do CBDB (http://www.cbdb.org.br/). Para acessar o projeto da revista na íntegra acesse aqui.

 

Parceria


ABMS e CBDB sempre tiveram atuação complementar no tema Geotecnia de Barragens e uma colaboração intensa a nível institucional. Exemplos disso são os eventos organizados em conjunto e as diversas cartas assinadas pelas duas entidades - a mais recente foi enviada à presidente Dilma Rousseff sobre a capacidade energética do Brasil. Assim, a Diretoria da ABMS deseja muito sucesso à nova revista que, certamente, será mais uma grande contribuição do CBDB para a engenharia brasileira.



Escrito por Joaquim Oliveira às 18h42
[] [envie esta mensagem
] []





Publicado por www.cobramseg2014.com.br

Convite

 
A Associação Brasileira de Mecânica dos Solos - ABMS, via seu Núcleo Regional do Centro-Oeste e o Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas, tem a honra de convidá-lo a participar do Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (COBRAMSEG 2014).
 
Esta edição, a de número 17, ocorrerá na simpática cidade de Goiânia, uma das capitais do Centro-Oeste brasileiro, entre os dias 9 e 13 de setembro de 2014. O tema central do evento escolhido para este encontro foi "Infraestrutura de um Futuro Sustentável", mostrando o desafio e a preocupação da comunidade geotécnica em garantir o desenvolvimento em termos sustentáveis.
 
Serão cinco dias de atividades, distribuídas em quatro importantes eventos: XVII COBRAMSEG, VII Congresso Luso-Brasileiro de Geotecnia, VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas e o VI Simpósio Brasileiro de Jovens Geotécnicos, englobando palestras, minicursos, mesas redondas e apresentação de trabalhos científicos, com a presença de renomados pesquisadores internacionais e nacionais, nos diversos subtemas da área geotécnica, permitindo uma intensa troca de experiências e novas ideias.
 
Paralelamente ao evento, ocorrerá uma grande Feira de Geotecnologia, que reunirá mais de 60 expositores, das mais avançadas técnicas e práticas geotécnicas disponíveis aos empreendedores e projetistas nacionais. O local escolhido, o Centro de Convenções de Goiânia, apresenta espaçosas e confortáveis instalações para abrigar este, que é o mais tradicional e importante evento da Engenharia Geotécnica no Brasil.
 
A Comissão Organizadora não medirá esforços para fazê-lo sentir-se em casa. Goiânia e o coração do Brasil lhe esperam de braços abertos!
 
Prof. Maurício Martines Sales
Presidente do Cobramseg 2014
 

 



Escrito por Joaquim Oliveira às 10h46
[] [envie esta mensagem
] []





Café da manhã de lançamento do SEFE 8 (São Paulo, SP) 
  

A ABEF – Associação Brasileira de Empresas de Engenharia das Fundações e Geotecnia, o SINABEF – Sindicato da Indústria de Engenharia de Fundações e Geotecnia, a ABMS – Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica e a ABEG – Associação Brasileira de Empresas de Projeto e Consultoria em Engenharia Geotécnica convida a todos para o café da manhã de lançamento comercial do SEFE 8 a ser realizado no dia 13 de março de 2014, às 8h00 na Av. Queiroz Filho, 1700 – Villa Lobos Office Park – Auditório Central, Vila Leopoldina, SP. Os interessados deverão confirmar presença através do telefone: (11) 3868-0724 ou pelo e-mail: comercial@acquacon.com.br

 



Escrito por Joaquim Oliveira às 09h38
[] [envie esta mensagem
] []





Professor Romilde Oliveira recebe homenagem pelos 45 anos de dedicação à Católica

Publicado por BOLETIM UNICAP  http://www.unicap.br/assecom1/?p=45309

Com o auditório praticamente lotado, o curso de Engenharia Civil da Universidade Católica de Pernambuco promoveu uma aula inaugural no dia 13/02, no auditório G1. O evento contou com a participação de alunos de praticamente todos os períodos do curso. A aula teve como ponto principal as novas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) sobre prescrições normativas, concretos especiais e propriedade de materiais.

O coordenador do curso, Joaquim Oliveira, deu as boas-vindas aos alunos novatos. Em seguida,  foi prestada uma homenagem ao professor Romilde Oliveira. Ele graduou-se em Engenharia Civil pela UFPE, fez mestrado e doutorado na UFRJ e realizou o pós-doutorado na USP. “Romilde fez o projeto estrutural do bloco G da Unicap (bloco onde fica o auditório G1). Então, podem ficar tranquilos”, brincou o coordenador. Foi entregue uma placa em homenagem aos 45 anos de dedicação e serviços prestados à Unicap.

“Quero agradecer a Joaquim (coordenador do curso), além de todos os que fazem parte da coordenação do curso de Engenharia Civil. Agradeço de coração”, enfatizou o professor Romilde. “Às vezes o aluno novato se sente distante do dia a dia de engenheiro, mas, na minha opinião, ele tem que se sentir engenheiro desde o primeiro dia de aula”, completou.

 



Escrito por Joaquim Oliveira às 09h51
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por Joaquim Oliveira às 10h42
[] [envie esta mensagem
] []





2012-2013

Prêmio Fernando Emanuel Barata tem inscrições abertas

(Publicado por www.abms.com.br)           

Os interessados em participar do prêmio Fernando Emanuel Barata têm até o dia 31 de março de 2014 para fazer a inscrição. O prêmio foi introduzido pelo Conselho Diretor da ABMS em agosto de 2010 e tem como objetivo distinguir o autor do melhor trabalho de graduação realizado em uma instituição brasileira. O vencedor será agraciado com um diploma, além da admissão no quadro associativo da ABMS, com a dispensa do pagamento da anuidade por um ano.

Qualquer aluno de Engenharia Civil, matriculado em uma universidade brasileira no período a que o prêmio se refere – o biênio 2012/2013 –, pode se candidatar. O orientador do trabalho é o responsável por realizar a inscrição, sendo que só é permitida a cada orientador a inscrição de um único trabalho. Apenas serão aceitas inscrições de membros ativos da ABMS.

A escolha do autor vencedor deve ser feito no mês de julho, com base na análise dos textos. O premiado terá seu nome divulgado em reunião do Conselho Diretor da ABMS e a premiação ocorrerá no Cobramseg 2014, em Goiânia, tendo suas despesas (passagens, hospedagem e inscrição) todas pagas pela ABMS.

Para mais informações, acesse aqui.



Escrito por Joaquim Oliveira às 11h00
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por Joaquim Oliveira às 20h20
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por Joaquim Oliveira às 11h08
[] [envie esta mensagem
] []





ABMS certifica empresas de sondagem  

(Publicado por www.abms.com.br)

           

No próximo dia 14 de fevereiro ocorrerá, no Instituto Federal de Brasília (IFB), o lançamento do selo de qualidade e a certificação de duas empresas de sondagem que tiveram seus serviços avaliados. Trata-se do primeiro ciclo do programa de qualificação das empresas de sondagem promovido pela Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS).


Todos conhecem a importância de estudar o solo no qual a construção irá ser apoiada. E a responsabilidade é muito grande, afinal a fundação será dimensionada utilizando as informações fornecidas pela campanha de sondagem e todo o edifício será sustentado por estas fundações. Mas você confia integralmente no laudo de sondagem que recebe?

A pergunta é pertinente, pois apesar deste laudo ser assinado por um engenheiro ou geólogo e a credibilidade desses profissionais não pode nunca ser duvidada, as variáveis envolvidas em uma sondagem são inúmeras e, principalmente as que envolvem a execução no campo, são de difícil controle. E considerando ainda que a mão de obra utilizada não é formalmente qualificada para aquela atividade, não é fora da realidade ter dúvida sobre a qualidade do ensaio de sondagem realizado.

É nesse sentido que a Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS) se propôs a qualificar e certificar as empresas e os profissionais que trabalham com sondagem do tipo SPT. O programa envolve três etapas. A primeira é de formação dos profissionais, sendo oferecidos cursos para sondadores, engenheiros e geólogos. A segunda etapa é de análise documental da empresa e, por fim, a avaliação das sondagens executadas em campo. Caso a empresa seja aprovada nas três etapas, a ABMS certifica que a empresa executa a sondagem com qualidade e em obediência à Norma Técnica. Para o reconhecimento dessa certificação pelo público, a empresa recebe um selo de qualidade que deverá ser colado em todos os laudos emitidos pela empresa.

O programa piloto foi encabeçado pelo Núcleo Regional Centro-Oeste da ABMS, tendo início em Brasília, onde serão certificadas duas empresas locais, e posteriormente será ampliado para Goiânia. O terceiro ciclo do programa será expandido para o resto do Brasil. Desta forma, a ABMS entende que está cumprindo seu papel de entidade de classe, valorizando as empresas associadas e promovendo as boas técnicas construtivas.

Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica
Núcleo Regional Centro-Oeste



Escrito por Joaquim Oliveira às 21h15
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por Joaquim Oliveira às 14h02
[] [envie esta mensagem
] []





Desastres naturais ou crimes ambientais?  

(Publicado por www.abms.com.br)

 

A recente edição da Revista “Fundações & Obras Geotécnicas” (nº 39, dezembro de 2013) dá destaque às tragédias decorrentes de deslizamentos e enchentes. No texto publicado na Coluna do Conselho Editorial da revista, Alberto Sayão,  ex-presidente da ABMS, e Anna Laura Nunes, presidente do Núcleo Rio da ABMS, analisam os erros na gestão do assunto e oferecem sugestões para minimizar as consequências das tempestades que se aproximam das regiões Sul e Sudeste com a chegada do verão.


Na visão dos dois autores, essas tragédias não deveriam ser consideradas “desastres naturais”. O artigo já está repercutindo no meio geotécnico, com comentários e manifestações de apoio de profissionais conhecidos.

O presidente da ABMS, André Assis, considera oportuna essa matéria por expressar uma visão que tem sido defendida pela entidade há muitos anos. Assis declara ainda que pretende coordenar a elaboração de uma carta aberta sobre o tema, em conjunto com outras entidades importantes da área. Leia a seguir a íntegra do artigo de Sayão e Anna Laura.


Acesse aqui a íntegra do artigo "Desastres Naturais ou Crimes Ambientais?" de Alberto Sayão e Anna Laura Nunes publicado pela Revista Fundações & Obras Geotécnicas



Escrito por Joaquim Oliveira às 10h37
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]